Acácia - Psicologia & Psiquiatria

Terapia Infantil

A Terapia Comportamental Infantil se baseia na teoria ou abordagem da Análise do Comportamento, tratando crianças de todas as idades que apresentem problemas de comportamento, dificuldades para lidar com seus sentimentos e pensamentos, ou problemas em seu desenvolvimento.

No atendimento infantil, utilizamos estratégias que permitem à criança se expressar e se comportar na própria sessão, e é a partir disso que é auxiliada em suas dificuldades. Por isso, a sessão com a criança normalmente é recheada de brincadeiras e atividades, que são planejadas cuidadosamente para que possam ser utilizadas com objetivos terapêuticos. Não se trata de “brincar por brincar”, e sim de uma forma de diagnóstico e tratamento adaptada para o nível de desenvolvimento da criança.

Quanto mais a criança tem desenvoltura para se expressar verbalmente (por exemplo, contar como foi o seu dia, falar sobre seus sentimentos, avaliar uma situação, ter senso crítico), mais podemos utilizar também a própria conversa, semelhante à terapia com adultos.

Além a terapia realizada diretamente com a criança, o terapeuta infantil faz com os pais uma intervenção denominada de “Orientação de Pais“. Essa orientação, muitas vezes, pode se estender à escola, quando se detecta que mudanças no manejo escolar poderiam contribuir com o tratamento. Muitas vezes, a análise funcional que o terapeuta faz sobre a criança pode levar ainda a adaptações no formato da terapia, como por exemplo com a inclusão de irmãos ou dos pais na sessão.

As crianças normalmente não escolhem fazer terapia, até por não terem conhecimento suficiente e autonomia para buscar esta opção como forma de serem ajudadas. O mais comum é que os pais procurem um terapeuta ao perceberem certos problemas de comportamento ou dificuldades, associados a sofrimento na criança, nas pessoas que vivem com ela, ou a prejuízos no seu funcionamento social e/ou escolar. Alguns problemas frequentemente notados pelos pais que buscam a psicoterapia para seus filhos são:

• Irritabilidade
• Choro excessivo
• Dificuldade para aceitar regras e limites
• Isolamento em casa ou na escola
• Dificuldade para fazer amigos
• Agressividade
• Ansiedade
• Impulsividade e/ou excesso de agitação
• Dificuldades de aprendizagem
• Dificuldade ao se afastar fisicamente dos pais
• Medos exagerados ou incompatíveis com a idade
• Relacionamento conturbado com irmãos
• Recusa em ir à escola
• Falta de autonomia e excesso de insegurança
• Excesso de desprendimento e de comportamentos de risco

Apresentar esses problemas não é sinônimo de ter um transtorno mental. O terapeuta infantil deve avaliar a criança nas sessões e muitas vezes pode necessitar de outros profissionais (psiquiatra, fonoaudiólogo, neuropsicólogo) para fazer um diagnóstico suficientemente cuidadoso. É importante que todos esses profissionais sejam especialistas no atendimento de crianças.
Alguns diagnósticos são específicos à infância ou muito mais comuns nessa faixa etária, como por exemplo: Transtorno Opositor-Desafiante (TOD), Transtorno de Conduta, Transtorno do Apego Reativo, Enurese, Encoprese. Outros, popularmente mais conhecidos em adultos, também podem ocorrer na infância, como: Depressão, Ansiedade, Fobia Social, Transtorno Bipolar, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, dentre outros.

Por fim, as habilidades, as técnicas e o conhecimento necessário a um terapeuta infantil são diferentes dos que atendem adultos. A avaliação e o tratamento da criança devem levar em conta aspectos diversos, como o nível de desenvolvimento, o que é e o que não é esperado no comportamento da criança em função de sua idade, bem como os valores da família a respeito da criação da criança.